Ensino para nova geração: conheça as principais mudanças | Escolas Disruptivas

Ensino para nova geração: conheça as principais mudanças

Ensino para nova geração: conheça as principais mudanças

É inegável que a educação passa por um processo de metamorfose constante e que o papel dos professores já não é mais o mesmo de outros tempos. A partir disso, o ensino para nova geração exige muito mais da administração escolar.

Essa mudança faz com que a gestão pense em estratégias viáveis para atrair o interesse dos novos alunos, pois eles dispõem de características distintas e, por mais estranho que pareça, eles sabem aonde querem chegar.

Partindo desse princípio, trouxemos, no texto de hoje, um mini guia para que você compreenda melhor os anseios da nova geração e como trabalhá-los de forma efetiva. Continue a leitura e confira!

Quem é essa nova geração de alunos?

Por conta da transformação digital, a mais nova leva de alunos, batizada como geração Millennial, desenvolve comportamentos muito diferentes da juventude do século passado. Criou-se um perfil singular de estudante, jovens que hiperconectados e que costumam consumir inúmeras informações em tempo real.

Eles anseiam por mais autonomia e não medem esforços para expressar sua opinião de alguma forma, afinal, é uma geração que cresceu no berço da computação e da expansão da internet, algo determinante para moldar atitudes.

Esses alunos compreendem o uso de ferramentas tecnológicas com muita facilidade e, desde pequenos, tiveram a oportunidade de utilizar computadores e dispositivos móveis.

Por saberem lidar com a tecnologia de forma simples e objetiva, os Millennials ficam um passo à frente de outras gerações e tendem a resolver problemas com mais agilidade.

Dentre as principais características observadas nos novos alunos, identificamos que eles têm responsabilidade social, ansiedade ao extremo, desapego de modos tradicionais e flexibilidade para lidar com vários assuntos ao mesmo tempo.

Quais os principais desafios enfrentados pela gestão escolar atualmente?

Tendo em vista a personalidade ativa dos novos alunos, a gestão escolar precisa dar conta do recado e oferecer soluções que supram as necessidades apresentadas por essa geração.

Com isso, novas competências do professor são exigidas, pois não bastará apenas ter um amplo conhecimento das disciplinas, mas sim apresentar aptidão para lidar com a evolução tecnológica.

A psicanalista Françoise Dolto, por exemplo, sempre acreditou que o objetivo da educação é dar liberdade à criança explorar suas habilidades e que os adultos devem servir de modelo, ensinando os pequenos a conduzirem suas próprias vidas.

Embora os métodos convencionais de ensino ainda sejam úteis, estamos em uma era em que é preciso remodelar as ações e, com isso, aperfeiçoar a didática das aulas.

Os professores devem se adaptar

Os Millennials apresentam características as quais o corpo docente precisa se adequar, visando a um aprendizado qualificado e que possa desenvolver esses alunos para assumirem papéis de destaque no mercado de trabalho.

Aos poucos, os professores são vistos mais como tutores que precisam preparar os jovens que ingressam na escola — algo que exige preparo e atualização constante.

Caso queira realmente aumentar o número de matrículas, existem situações às quais a gestão escolar precisa ter atenção, pois as novas gerações costumam ser mais introspectivas e tendem a ter dificuldades de comunicação.

Além disso, outros desafios muito corriqueiros no dia a dia escolar envolvem questões como o bullying, a falta de engajamento e até mesmo a acessibilidade.

Qual a importância de pensar em estratégias para atrair esses alunos?

Falar a mesma língua da nova geração é fazer com que a escola esteja em evidência e saiba direcionar as capacidades dos alunos para algo que realmente faça sentido, utilizando metodologias que geram engajamento.

Em uma sala de aula em que o público é dominado pelo imediatismo e tem ânsia pelo novo, vale utilizar estratégias que sirvam como uma espécie de experiência de aprendizagem.

Adotar conteúdo para a vida

É importante estimular o interesse dos jovens para que assimilem melhor os conteúdos aplicados, porque muitos dos assuntos serão cobrados pela vida em diversos momentos.

Essa conscientização abre margem para um debate interessante acerca da reciclagem de ideias e o uso constante de novas tecnologias para atrair a atenção dessa geração.

Todavia, torna-se necessário encarar as novas metodologias de ensino como aliadas aos métodos tradicionais, e não como frente inimiga.

O ideal é reconhecer que os professores já não detêm o conhecimento apenas e o aprendizado pode assumir uma forma mais intuitiva e integradora para os alunos, visando estabelecer um caminho em que ambos possam se beneficiar.

Criar conexões

Criar conexões com o mundo real é uma maneira de fazer com que o aprendizado tenha significância e, a partir disso, deixar a didática fluida para que o conteúdo seja absorvido de forma consistente.

A tendência das escolas é de utilizar a tecnologia como meio para ampliar a captação de alunos, ou seja, encarando as mudanças nos padrões de ensino e aplicando formatos mais ágeis para conduzir as aulas.

Quais as alternativas de ensino para a nova geração?

Levando-se em consideração os pontos observados no comportamento da geração Millennial, vale perceber o quanto é relevante pensar em alternativas de ensino para prender a atenção deles em sala de aula.

A seguir, veja algumas ideias que têm ganhado espaço na educação e podem fazer a diferença para qualquer gestão escolar.

Aulas interativas

A melhor tática não é confrontar os alunos por estarem mais ligados aos smartphones e tablets, mas sim abraçar a tecnologia para que ela seja usada no cotidiano escolar, permitindo que os jovens demonstrem mais interesse nas matérias.

Sendo assim, a grade escolar precisa dar o respaldo para que as aulas sejam mais interativas por meio de jogos, uso dos computadores nas aulas e o módulo invertido de ensino.

Ensino de programação

Trabalhar com o ensino de linguagens de programação faz com que os alunos ampliem o raciocínio lógico e saibam lidar com a resolução de problemas, sejam eles simples ou complexos.

A programação robótica ou maker, por exemplo, permite que os estudantes aprendam um pouco mais sobre o desenvolvimento de robôs aplicados à internet das coisas, a criação de games, a construção de aplicativos etc.

Metodologia STEAM

Esse é um conceito que consiste em trabalhar a interdisciplinaridade por meio da integração entre ciência, tecnologia, engenharia, arte e matemática.

Trata-se de usar a parte teórica e aplicá-la na prática, o que permite desenvolver a parte cognitiva, melhorar o comportamento socioemocional e executar tarefas que ensinam o valor do trabalho em equipe.

Para finalizarmos, entenda que o ensino para a nova geração precisa estar adequado à tecnologia, por isso, não abra mão de contar com a parceria de uma empresa especializada no assunto, a fim de remodelar os métodos da escola e trazer soluções que impactem o desenvolvimento de crianças e adolescentes.

Você gostou deste artigo e de todas as informações trazidas? Quer saber como colocar tudo isso na prática? Então entre em contato com a gente que explicaremos o passo a passo para ter uma escola cada vez mais tecnológica!

Acessibilidade na escola: entenda como a tecnologia pode auxiliar
Post anterior Acessibilidade na escola: entenda como a tecnologia pode auxiliar
campos de experiência na educação infantil
Próximo post Saiba o que são campos de experiência na educação infantil e como são trabalhados
Close