Ensino de física: entenda como a robótica pode auxiliar

Ensino de física: entenda como a robótica pode auxiliar

Para muitos alunos, as disciplinas da área das Ciências Exatas são um verdadeiro terror. Basta ouvirem falar sobre o ensino de física, matemática ou química para que os estudantes mudem de expressão facial quase que instantaneamente. O que fazer, então, para diminuir a resistência da classe a esses assuntos?

O ensino de física, tema desta nossa conversa, deve ser sempre acompanhado de abordagens que estimulem o interesse dos alunos pelo tema de modo natural. Sendo assim, a sala de aula tradicional não é, muitas vezes, um bom ambiente para trabalhar esse cenário.

Que tal, então, utilizarmos a tecnologia na educação? Neste post, veremos como funciona a relação entre o ensino da robótica e as aulas de física, e como esse tipo de abordagem pode revolucionar o aprendizado dessa e outras disciplinas que envolvam números, cálculos e algumas incógnitas. Boa leitura!

Por que os alunos temem as aulas de física?

Como mencionado no início de nossa conversa, boa parte dos estudantes demonstra um grande bloqueio às aulas de física e outras disciplinas das Ciências Exatas. Esse comportamento pode ser explicado por uma série de fatores, mas os principais deles são:

  • reprodução involuntária de ideias de outras pessoas;
  • falta de criatividade na hora de ministrar as aulas desses conteúdos;
  • abordagens ineficazes para todos os tipos de inteligência dos estudantes;
  • pouca explicação prática da importância da física no dia a dia.

O primeiro tópico diz respeito ao fato de que as crianças são condicionadas, desde praticamente o nascimento, a ver essas matérias com olhares negativos. Na mídia, na família e em todos os lugares, é muito comum elas ouvirem que essas disciplinas são complicadas, difíceis, entre outros adjetivos pejorativos.

A seguir, conversaremos melhor sobre os três últimos tópicos, explicando-os de maneira mais aprofundada. Vamos continuar?

Como o ensino tradicional contribui para esse quadro?

O primeiro ponto é o “mais do mesmo” nas aulas. Isso não é, de modo algum, uma culpa dos professores, e sim de uma defasagem no ensino como um todo. Aulas muito conteudistas e com o molde “teoria e exercícios” não são algo que chama a atenção do aluno ou que demonstra, para ele, toda a importância da matéria para o cotidiano.

Outra questão está na falta de abrangência para os diversos tipos de inteligência. Embora esse tipo de ensino funcione para algumas pessoas, outras aprenderão muito mais observando as coisas por outro ponto de vista, como na construção de objetos, resolução de problemas do dia a dia etc. O respeito pelos diversos tipos de inteligência é algo, muitas vezes, ausente no ensino tradicional.

Por fim, outro dos principais problemas nas salas de aula tradicionais pode ser observado no modo como a física é abordada. Que professor nunca ouviu, durante uma aula, a seguinte frase: “em que vou usar isso na minha vida?”? Esse é um questionamento muito válido e que, infelizmente, nunca é prontamente respondido pelos docentes.

A estrutura tradicional de aulas foca apenas na construção de conhecimento para um viés mais profissional. Contudo, tanto a física como as demais disciplinas têm uma enorme importância no papel de formação de caráter cidadão e desenvolvimento de habilidades do estudante. Por isso, valorizar esse aspecto e mostrar aos alunos as aplicações práticas dessa matéria é algo fundamental.

Quais são os benefícios da robótica para o ensino de física?

Agora, que tal conversarmos sobre alguns dos benefícios da robótica para as aulas de física e, claro, para o aprendizado do aluno? Essas vantagens vão muito além do conceito de ludicidade na educação que, embora seja muito importante, não justifica (quando sozinho) o uso desse tipo de ferramenta no ensino.

As aulas de robótica, quando aplicadas dentro da metodologia STEAM (Ciências, Tecnologias, Engenharia, Arte e Matemática), traz uma abordagem muito diferenciada para a física. Aqui, o aluno verá problemas do a dia a dia serem resolvidos de modo objetivo e interessante. Assim, sua criatividade será estimulada e a curiosidade, aguçada.

Outras habilidades comumente trabalhadas com a ajuda da robótica são a capacidade de analisar problemas, encontrar a resolução destes e, claro, de realizar um planejamento objetivo, além da organização, disciplina, resiliência, empatia e a comunicação.

Além disso, essa é uma ótima oportunidade para o estudante ver as aplicações práticas daquela disciplina no dia a dia, o que despertará ainda mais seu interesse pelo aprendizado. Isso também possibilita melhor interação do professor com a classe, tornando o ensino mais dinâmico e facilmente absorvível pelos alunos.

Quais são os ganhos dessa estratégia para a escola?

Uma instituição de ensino pode ganhar em vários sentidos ao investir nesse tipo de metodologia. Os ganhos, aqui, vão muito além do lucro, ainda que este possa ser facilmente melhorado em razão das inovações e diferenciais obtidos com essas estratégias.

O principal ganho, independentemente de a instituição ser pública ou privada, é o melhor desenvolvimento cognitivo e social de todos os estudantes, além da redução de problemas como a evasão escolar, algo que é, infelizmente, muito presente nas escolas de todo o país.

Com metodologias ativas de aprendizado, os alunos se sentem mais engajados e motivados a estudar e passam, inclusive, a participar mais das aulas, transformando esse ambiente e deixando-o bem mais interativo.

Para implementar esse tipo de estratégia, a escola precisa, primeiramente, investir em uma boa qualificação de seus docentes, ao buscar profissionais atualizados e com vontade de aprender. É preciso, também, fazer com que a equipe compreenda a essência dessas mudanças e o papel do professor nesse novo cenário, atuando como guia e caminhando lado a lado com a classe.

Depois, é fundamental que a escola busque o auxílio profissional de quem realmente entende do assunto e possa, assim, fornecer o treinamento necessário para que toda a equipe se atualize e esteja apta a lecionar nesses novos moldes.

Agora que você já sabe a importância do uso da tecnologia (e, claro, das aulas de robótica) no ensino de física, não perca tempo: considere fazer pequenas modificações na metodologia de seu colégio. Todos os envolvidos, da própria instituição aos alunos, só têm a ganhar com esse tipo de atitude!

Para saber mais sobre o tema, confira nosso material exclusivo Robótica na Educação! Você pode fazer o download do e-book de modo completamente gratuito e expandir seus conhecimentos sobre esse assunto tão relevante para o meio educacional do século 21. Até a próxima!

Professor convidado: Ramon Felipe Bertasi
Professor a mais de 15 anos no ensino médio e laboratório. Formado pela USP e mestrado profissional na UFABC. Autor de materiais de ensino diversificado.

Powered by Rock Convert
Post anterior Como a aprendizagem maker pode ser inserida na escola
Próximo post Educação em tempo de coronavírus: 5 dicas para elaborar sua estratégia
Close