Tecnologia Educacional: muito mais que robótica na sua escola | Escolas Disruptivas

Tecnologia Educacional: muito mais que robótica na sua escola

O avanço tecnológico modifica o nosso dia a dia e com a educação não é diferente. A lousa, as paredes da sala de aula e o professor não conseguem cativar o aluno. A tecnologia educacional vem transformando a troca de experiências entre quem ensina e quem aprende.

Ela integra o ensino ao cotidiano por meio de computadores, tablets e celulares. Esses recursos funcionam como uma extensão da sala de aula, fazendo com que os processos pedagógicos se mantenham atuais. A autonomia dos alunos é priorizada e o acesso à informação fica mais simples.

Neste post, destacaremos como as ferramentas tecnológicas influenciam na qualidade do aprendizado. Confira!

Entenda a contribuição da tecnologia educacional para o ensino

A robótica não é a única coisa importante para o desenvolvimento da construção de um protótipo ou de um circuito. Para criar um robô, é preciso fazer algo além da construção física desse equipamento. Qualquer hardware tem, por trás, um software para funcionar de maneira programada.

Um smartphone tem uma série de programações previamente feitas para receber aplicativos. Isso somente é possível quando a programação e a robótica estão integradas. Compreender esse aspecto é fundamental para o aluno desde criança, para estar capacitado para resolver problemas, estimular a criatividade e fortalecer o desenvolvimento cognitivo.

O exercício prático ajudará o estudante a desenvolver essas habilidades. No futuro, ele aplicará esse conhecimento no dia a dia, ao se deparar com um problema, já terá a prática de como resolver e dos passos para a resolução.

As aulas de maker e programação são essenciais para os alunos estarem mais aptos a resolver as demandas tecnológicas, pessoais ou sociais. Esse benefício é proporcionado pelo ensino que alia teoria e prática.

Influência

A tecnologia educacional tem como foco ajudar o aluno a aprender e a organizar as ideias. Assim, ele pode aprender a resolver um problema de programação, maker, robótica, química, física etc.

Nos cursos da Happy Code, a criança aprende a estruturar as ideias pelo Design Thinking, estratégia que permite organizar os pensamentos para a resolução de qualquer demanda. Por isso, os avanços tecnológicos devem ser adotados para colaborar com a qualidade do ensino.

É necessário que as escolas, universidades e demais instituições de ensino se mantenham atualizadas. O estudo deve ser incorporado à tecnologia em qualquer modalidade (tradicional, a distância ou híbrida). Assim, o aluno desenvolve habilidades importantes no século XXI, como o trabalho em equipe, a resiliência e o pensamento computacional.

Conheça alternativas que fazem a diferença no ensino: conceito maker

Ao programar, o aluno lida com vários desafios mentais, que o forçam a pensar de forma lógica, sequencial e organizada. Como no xadrez e no estudo de um instrumento musical, ele cria padrões de conexões neuronais, já que programar também estimula partes do cérebro relacionadas à lógica e ao pensamento matemático. Dessa forma, a programação nas escolas contribui para os alunos se tornarem mais focados, autônomos, habilidosos e criativos.

Na tecnologia educacional, o movimento maker também é um valioso recurso. Ele valoriza as crianças, pois elas têm algo que muitos adultos aos poucos perdem: a imaginação. As crianças desconhecem muitas regras aceitas e impostas pelos adultos. Por isso, ficam mais livres para criar e sentem menos medo do julgamento.

O maker melhora a experiência de aprendizado, baseando-se na criatividade e imaginação dos alunos, além de combinar o conhecimento mental com a aplicação física. Em vez de os estudantes lerem as respostas, a atividade os incentiva a criá-las.

Além de tornar a escola um ambiente colaborativo de aprendizagem, com a máxima do “faça você mesmo”, o maker possibilita maior interação entre os estudantes e professores durante o aprendizado.

Programação e Robótica

Nas aulas de Língua Portuguesa, são abordadas várias estruturas gramaticais, bem como a construção e a interpretação textual. O aprendizado envolve o conceito e a aplicação, mas nem sempre atinge o entendimento ideal.

Ao considerar a informação, a robótica educacional viabiliza a construção do conhecimento, pois faz a mediação entre o conceito e a aplicação dele no cotidiano. Além de ajudar na compreensão da gramática, a robótica fortalece o trabalho em equipe, que abrange 3 dimensões: afetiva, cognitiva e comportamental, que somadas influenciam na postura do aluno.

A robótica encoraja a participação dos estudantes na construção de máquinas e robôs, transformando-os de consumidores de tecnologia em construtores de seus próprios mecanismos. Aprender a programar é como conhecer uma nova língua. Afinal, esse processo exige escrever com coerência, coesão, hierarquia de informações e de forma clara, simples e objetiva.

Sem dúvida, a tecnologia educacional torna o aprendizado mais dinâmico e consistente, capacitando o estudante ao uso de uma ferramenta que propicia um novo modo de agir. Os alunos e os colégios são beneficiados com a adoção desses recursos, visto que possibilitam tornar a sala de aula um lugar mais acolhedor e atraente.

Veja como as escolas podem adotar a tecnologia

A robótica foi a primeira tecnologia apresentada aos colégios no Brasil. Hoje, contamos com a programação e maker, que trabalham outras habilidades e despertam o interesse das crianças. Muitos associam a tecnologia educacional à robótica apenas, porque ela é a mais difundida nas escolas.

No ano 2000, a tecnologia era adotada em formato extracurricular. Por exemplo, durante as aulas de artes, os estudantes construíam um sistema com materiais reciclados, sem circuito. Tinha mais uma função de marketing para atender a um modismo da época.

Em virtude da concorrência, a gestão da escola precisa se preocupar em analisar o conteúdo a ser aplicado. Ela tem que escolher um player que tenha um material diversificado, que atenda vários conceitos. A Happy Code trabalha com um conceito chamado STEAM, que é Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática.

Esse método prioriza algo muito difundido nas escolas, chamado interdisciplinariedade, que é transitar com um determinado assunto entre outras disciplinas. Sendo assim, a tecnologia não é tratada de forma isolada, porque ajuda a desenvolver conceitos e habilidades trabalhados em outras matérias.

Aplicação

A robótica envolve a matemática na programação, a criatividade nas aulas de arte e a ciência com o uso das tecnologias. Não basta apenas oferecer um conteúdo extracurricular e inovador, mas também fazer com que ele seja importante para o aluno aplicar conceitos e aprender de maneira consistente.

A Happy Code tem como foco fazer com que a disciplina de tecnologia converse com todas as outras. O conteúdo desenvolvido especificamente, série a série e o que o aluno está vendo em um determinado ano, estão alinhados com o que estamos aplicando na tecnologia.

A empresa é uma referência em ensino de tecnologia, porque apresenta um sistema completo com um currículo atendendo programação, maker e robótica, por meio de um método próprio que desenvolve as competências e habilidades do século XXI, além de priorizar o empreendedorismo.

É fundamental a escola analisar o conteúdo a ser aplicado por meio da tecnologia educacional, pois é uma forma de verificar como o avanço tecnológico pode ser usado para envolver o estudante, melhorar o aprendizado e preparar cidadãos para o futuro.

Se você deseja investir em recursos tecnológicos em sala de aula, entre em contato conosco, agora mesmo! Estamos à disposição para tirar todas as suas dúvidas e ajudá-lo a ter um ensino de alto nível!

Movimento Maker: Guia completo para implantarPowered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
7 dicas para um planejamento escolar eficiente
Post anterior 7 dicas para um planejamento escolar eficiente
BNCC na educação infantil: conheça os novos focos!
Próximo post BNCC na educação infantil: conheça os novos focos!
Close